PROF. JACQUES DE MEDINA

"MEDINA REPRESENTA UM SÍMBOLO DE UMA ÉPOCA em que não era fácil aos engenheiros se dedicarem aos estudos além da faculdade, e ter bons livros para se aperfeiçoar na vida profissional. Montar laboratórios e estudar no exterior era objetivo de poucos.

Formado em 1947 pela Escola Nacional de Engenharia, fez o mestrado na Universidade de Purdue, nos EUA, entre 1949-1951, e realizou, nos anos 1960, viagens de estudo à França e à África. Estudou em Berkeley, nos EUA, e no Road Research Laboratory, na Inglaterra. Atuou nos Laboratórios do DNER e do DER/RJ e foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Pavimentação – ABPv em 1959.

Ao ingressar na COPPE formou, com Willy Lacerda e Dirceu Velloso, o tripé de sustentação da área de Mecânica dos Solos, depois Geotecnia. Aqui, encontrou lugar ideal para seu espírito investigativo. Com seu protagonismo, colaborou decisivamente na fundação da pós-graduação na Engenharia Civil e da própria COPPE.

Medina é exemplo de dedicação, ética e criatividade, acessível a todos, sensível aos problemas do país e ligado nas tendências de inovação da área a que se dedicou: a pavimentação e a estabilização de solos. Criou as disciplinas de Físico-Química e Estabilização de Solos e introduziu a pesquisa de uso de resíduos industriais, quando quase ninguém tinha essa preocupação. Montou um laboratório  e escolheu um químico para tocá-lo, de modo a prover o arcabouço experimental e ampliar as pesquisas fundamentais das argilas e dos princípios da estabilização química.

A introdução da Mecânica dos Pavimentos no país foi responsável por verdadeira revolução nos conceitos tradicionais de seleção de materiais. A consideração do clima na formação dos solos tropicais e a laterização típica dos solos brasileiros foi sua preocupação desde os tempos de engenheiro de DNER. Na COPPE, dedicou-se a incentivar os alunos a seguirem por essa trilha de compreensão da importância do meio físico na Geotecnia Rodoviária e formou seguidores que continuam essa divulgação em inúmeras universidades. A eletrosmose e pedologia aplicadas à pavimentação, a primeira instrumentação de pavimentos (1976), a mecânica da fratura nas misturas asfálticas, o acomodamento ou shakedown dos materiais, a introdução do FWD e conceitos de retroanálise para interpretar a deflexão, o pavimento ferroviário, entre outros temas hoje correntes, também partiram de sua visão ampliada dos pavimentos.

É unânime o reconhecimento da sua erudição. Cronista de fino estilo, sempre nos brinda com deliciosos comentários de fatos cotidianos. Foi reconhecido pela UFRJ com os títulos de Notório Saber, em 1988, e Professor Emérito, em 2008. Todas as honrarias não lhe tiraram a virtude de ter sempre um olhar atencioso e uma palavra de carinho, especialmente para os que anonimamente constroem e zelam pelas instituições.

É querido por todos na área e no Laboratório de Geotecnia, que tem seu nome, no Programa de Engenharia Civil e na COPPE. Tem o respeito e a admiração de toda a comunidade de profissionais da Engenharia Rodoviária nacional."  

  • Texto extraído do livro: "Jacques de Medina: visionário humanista (COPPE-UFRJ).